A e eu te pergunto, se um policial mete uma bala na cabeça de um menor que por um acaso possivelmente esta ali defendendo a mãe das supostas agressões relatadas na matéria, cometidas pelo uso indevido da autoridade (no caso os próprios PMs) ae eu te pergunto cadê essa ‘bosta’ chamada direitos humanos?
Sinceramente acho que direitos humanos é pra vagabundo mesmo, segue a matéria feita pelo #GIROCENTRAL
Depois tire suas conclusões….


O fato aconteceu no último final de semana no Bairro Tancredo Neves,
setor Leste de Porto Velho, onde o policial militar, identificado apenas
como Alexandre, componente de uma guarnição do 5º BPM, atirou contra a
cabeça de um adolescente de 16 anos, usando uma escopeta calibre 12, com
cartucho não letal.

Informações de familiares da
vítima e testemunhas registradas no 8º DP da área relatam que a
guarnição da Polícia Militar foi até o local apaziguar uma confusão
iniciada por conta de pipa, envolvendo o irmão da vítima, menor, e o
irmão de um policial militar de 29 anos.

Segundo os
moradores a guarnição que atendeu a ocorrência agiu com extrema
violência, agredindo várias pessoas com socos e pontapés. Em meio à
confusão a mãe da vítima foi agredida com um soco no rosto e logo
socorrida pelo adolescente, que na sequência foi alvejado.

O
menor caiu e ficou agonizando. Revoltados os populares tentavam tirar
fotos de Alexandre para denunciar o caso, porém em um dessas tentativas,
o policia atirou outra vez usando a mesma arma, mostrando grande
despreparo, onde apenas virou a arma para o lado e acionou o gatilho sem
prestar atenção se tinha pessoas próximas.

O menor foi
socorrido pelos familiares e conduzido até a Unidade de Pronto
Atendimmento (UPA) da região e consequentemente transferido para o
Hospital Joao Paulo II.

Devido à bala usada no armamento ser não letal, o menor sobreviveu e ainda se encontra internado.

A família pede que o caso seja analisado pela Justiça e Alexandre pague pelo tamanho erro cometido.

Comentários... Comente via Facebook: