Postado no dia 27 de maio de 2015, por em Imagens.

8326241874135025Existem algumas coisas (para não falar várias) que nós, brasileiros, fazemos e que, em outros países, é totalmente proibido. Inclusive, algumas dessas coisas podem levar até a pena de morte. Como é o caso da Coréia do Norte. Confira uma lista com 12 coisas que são feitas por brasileiros que podem dar pena de morte na Coréia do Norte e surpreenda-se:

url

1. Usar calça jeans não é permitido, pois o tecido representa o “imperialismo ocidental”.

2. Os cidadãos devem escolher um dos 28 cortes de cabelo permitidos pelo governo. Nada de inovação ou cores.

3. Beber bebidas alcoólicas em certos períodos pode levar à morte. Um militar foi executado por consumir bebida alcoólica em um período de luto de 100 dias.

4. Assistir a programas de TV não permitidos pelo governo já levou a execuções públicas.

5. Dirigir também pode trazer sérios problemas, pois somente os oficiais de Estado podem ter carros.

legenda-da-foto-publicada-indevidamente-no-flickr-dizia-em-ingles-ameacando-a-paz-mundial-com-armas-nucleares-e-gastando-dinheiro-enquanto-mata-as-pessoas-de-fome-1365165661024_300x300

6. As músicas só são permitidas se estiverem enaltecendo o ditador Kim Jong-Un.

7. Manter contato com pessoas de outros países será punido com a morte. Em 2007, um homem foi fuzilado publicamente por ter realizado muitas chamadas internacionais.

8. Ter uma opinião contrária ao governo é algo grave, devendo a pena ser cumprida nos gulags, que são campos de trabalho forçado.

9. Sair do país também não é permitido, e a pessoa ainda poderá ser caçada e punida.

10. Manifestar qualquer tipo de religião não aprovada pelo governo pode trazer sérios problemas. Mais de 80 cristãos foram mortos por se reunirem em oração.

11. Assistir ou disponibilizar conteúdo adulto é punido com a morte.

12. Conectar-se à internet também não é permitido, e nem é possível, já que o país não possui conexão à rede mundial. Apenas os líderes do governo podem se conectar, podendo os demais cidadãos apenas acessar uma intranet com sites do governo.

Comentários... Comente via Facebook: